Projeto Canto da Rua Emergencial termina com 470 entregas de certidões

Criado pela Pastoral de Rua da Arquidiocese de Belo Horizonte, o projeto de assistência às pessoas em situação de rua na capital mineira “Canto da Rua Emergencial” encerrou as atividades, na última semana, depois de 15 meses de acolhimento de mais de 10 mil moradores de rua. Com a atuação do Recivil, 470 segundas vias de certidões de nascimento e de casamento foram entregues a quem mais precisa, graças ao empenho e compromisso dos registradores civis de Minas Gerais.

População em situação de rua e entidades celebraram o encerramento do projeto Canto de Rua Emergencial


Em média, 800 pessoas, diariamente, procuraram apoio da ação na Serraria Souza Pinto, no centro de BH, em busca de água, banho, comida, lavanderia, assistência pet, entre outros serviços. Além de ter acesso a todos eles, durante o encontro de encerramento, os atendidos acompanharam a programação do fechamento das atividades com muita música e gratidão.


A coordenadora da Pastoral, Claudenice Rodriguez, recorda que o Recivil foi um dos primeiros parceiros a se mobilizar com a causa. “No momento em que estava tudo fechado por conta da pandemia e a população não conseguia acessar seus documentos, o Recivil logo se prontificou a atender a população em situação de rua, facilitando e agilizando as principais documentações da vida das pessoas”, frisou.

Canto de Rua Emergencial realizou mais de 31.778 atendimentos gerais, 2.438 atendimentos socioassistenciais, 481 atendimentos na área da saúde, 50.600 lanches distribuídos, 12.561 banhos e 115.818 marmitex entregues


O presidente do Recivil, Genilson Gomes, parabeniza os oficiais de Registro Civil das Pessoas Naturais que participaram da mobilização humanitária. “O projeto veio em um momento de extrema dificuldade com a pandemia do coronavírus. O Recivil se sente muito engrandecido e gratificado pela participação neste lindo projeto, numa frente humanitária que mobilizou pessoas, entidades, empresas e poder público, contribuindo para levar dignidade e acesso aos direitos básicos aos mais vulneráveis”, elogiou, confirmando a disponibilidade do Recivil em continuar firmando parcerias com os organizadores do projeto.

Pessoas em vulnerabilidade social receberam assistência no último dia de funcionamento do Canto da Rua Emergencial


Na frente de atendimento dos pedidos de segundas vias de certidões, a coordenadora de Projetos Sociais do Recivil, Leila Xavier, quem esteve no encerramento do projeto, endossou a importância da participação do sindicato. “Na finalidade de amenizar a situação das pessoas que vivem em situação de rua, no momento de ainda mais vulnerabilidade, o Recivil uniu forças com o projeto Canto da Rua Emergencial para atender as solicitações de segundas vias de certidões de nascimento e casamento. A documentação significa devolver a dignidade e facilitar o acesso aos serviços e direitos, que muitas vezes são negados pela falta da comprovação da cidadania. A certidão é fundamental para a obtenção dos outros documentos pessoais, e é a porta de ingresso dos sujeitos ao mundo social”, afirma.


Segundo a coordenadora da Pastoral de Rua da Arquidiocese de Belo Horizonte, Claudenice Rodriguez, a instituição retoma as atividades e, uma vez ao mês, manterá o atendimento à população em situação de rua por meio do projeto “Tamo Juntos”, que será realizado embaixo do Viaduto Santa Tereza. O primeiro encontro acontece no dia 30 de setembro.


Fonte: Assessoria de Comunicação do Recivil

Posts recentes

Ver tudo

STJ - Revogação consensual de adoção

Adoção realizada sob as regras do CC/1916 é passível de revogação consensual na vigência do Código de Menores ​A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) entendeu que a adoção realizada so