top of page

Estado de Minas – ‘Decisão enquanto temos lucidez’, diz adepta do ‘testamento de vontade’

Reportagem do EM conversou com a aposentada Maria das Dôres Maciel que fez o registro em cartório de como quer ser tratada em caso de doenças graves


Uma das maiores, talvez a única certeza que temos na vida, é a morte. O desejo de ser tratada com respeito e dignidade caso venha a ficar doente e dependente de alguém fez com que a aposentada Maria das Dôres Maciel, de 63 anos, decidisse registrar o testamento vital em cartório.


Para ela, a possibilidade de registrar suas vontades era uma novidade e, para formalizar o processo, ela contou com a ajuda jurídica.


“Não tinha nenhum conhecimento dessa possibilidade, apenas sabia que queria ter minhas vontades registradas. Receber orientação profissional foi fundamental para a declaração das minhas vontades”, contou.


Dorinha, como é chamada, relatou que o desejo surgiu justamente de outros exemplos que ela teve na sua família.


“Isso surgiu por ter passado por experiências na família e por ver pessoas próximas passando por situações semelhantes. Ter alguém dependente para cuidar e sem saber ao certo se as decisões eram as mais a acertadas”, explica.


A aposentada não está sozinha. Em 2022, Minas Gerais bateu recorde nesse tipo de registro, de acordo com o Colégio Notarial do Brasil – Seção Minas Gerais (CNB/MG). Naquele ano foram 55 pessoas registrando as chamadas Diretivas Antecipadas de Vontade (DAVs), popularmente conhecida como testamento vital.


Em 10 de julho, Portugal descriminalizou a eutanásia. A regulamentação deverá ser feita em até noventa dias. Por lá, com a nova lei, a morte assistida será autorizada apenas para maiores de 18 anos ou em casos de incapacidade física da pessoa doente.


Quando questionada sobre os motivos pelos quais tomou a decisão, Maria das Dôres afirma que seu objetivo é, de alguma maneira, facilitar a situação para sua família.


“O principal motivo é ter um plano que facilite para minha família caso eu passe a ser uma pessoa dependente de cuidados prolongados. Penso que esse tipo de decisão deve acontecer, principalmente, enquanto ainda temos lucidez. A finitude é fato e precisamos nos ater a questões práticas”, finalizou.


Jornal Estado de Minas

Posts recentes

Ver tudo

Programa “Cartório Contemporâneo” episódio 133

Confira a 133ª edição inédita do Programa “Cartório Contemporâneo”, na TV Justiça, uma realização da Confederação Nacional de Notários e Registradores (CNR). Neste episódio inédito, com apresentação d

Comments


bottom of page