Clipping – Diário do Estado – Como funciona um processo de separação e divórcio?

Protocolos específicos são seguidos. O tema é bastante comum e suscita algumas dúvidas.


O fim de um casamento é um momento bastante complicado em várias perspectivas. Frente a isso, algumas dúvidas mais práticas também são bem comuns. Qual o primeiro passo? É preciso algum prazo? Qual a documentação que eu preciso reunir? Essa e outras dúvidas, traremos agora.


A Lei do Divórcio, que tornou possível a separação no país foi criada em 1977, assim, passou a ser amparadas as seguintes possibilidades:

  • Divorciar no dia seguinte ao casamento;

  • A implementação do divórcio no Cartório em caso de divórcio consensual;

  • Possibilidade de casar novamente quantas vezes você quiser.

De início, é preciso encontrar um bom advogado que irá ajudar muito, principalmente devido à partilha de bens do casal, por isso, contrate um advogado especializado na área de Família e Sucessões. Ele auxiliará em cada passo a ser tomado.


Existem no entanto, diferentes tipos de divórcios. São eles:


Divórcio Litigioso (judicial): são feitos via judicial e a lei prevê que não podem durar mais de três meses.


Este caso envolve situações mais complexas que o casal não poderá resolver por si só, dependendo de um advogado, principalmente quando houver partilha de bens, pensão e guarda dos filhos menores ou incapazes (menor de 16 anos);


Divórcio Amigável (extrajudicial): é feito por meio de escritura pública em Cartório.

Essa modalidade está autorizada pela Lei 11.441/07, quando não há filhos menores ou incapazes.


A medida facilitou o processo para aqueles que preferem fazer o divórcio de forma consensual, conhecido como divórcio extrajudicial que costuma ser finalizado rapidamente, em até cinco dias.


Com a escritura em mãos, é preciso apresentar junto ao Cartório de Registro Civil onde foi registrado o casamento para que seja feita a alteração do estado civil e a mudança de nome, se for o caso.


Divórcio Judicial Consensual: o divórcio feito de forma consensual também pode acontecer por meio judicial.


Por ser amigável está entre as formas de divórcio mais rápidas, também é realizado quando há filhos menores ou incapazes e a presença de advogado.

  • Qual a documentação necessária para levar ao cartório?

  • Certidão de casamento (atualizada – prazo máximo 90 dias);

  • Escritura de Pacto Antenupcial e Certidão do Registro do Pacto (se houver);

  • Documentos dos cônjuges: documento de identidade, CPF e qualificação completa;

  • Documentos dos Filhos (se houver): certidão de nascimento ou documento de identidade;

  • Documentos de propriedade dos bens (se houver):

  1. imóveis urbanos: Certidão de ônus expedida pelo Cartório de Registro de Imóveis (original e atualizada – prazo máximo 30 dias); Carnê de IPTU do ano vigente; e Certidão de tributos municipais incidentes sobre imóveis.

  2. imóveis rurais: Certidão de ônus expedida pelo Cartório de Registro de Imóveis (original e atualizada – prazo máximo 30 dias); CCIR – Certificado de Cadastro de Imóvel Rural expedido pelo INCRA e Certidão Negativa de Débitos de Imóvel Rural emitida pela Secretaria da Receita Federal ou cópia autenticada da declaração de ITR dos últimos 5 (cinco) anos (DIAC, DIAT, recibo de entrega e DARFs).

  3. Bens móveis: documentos de propriedade de veículos; extratos de ações e de contas bancárias; notas fiscais de bens e jóias; contrato social, balanço patrimonial e CNPJ de empresas (apresentar certidão atualizada do Cartório de Registro Civil de Pessoas Jurídicas – prazo máximo de 1 ano).

Não é necessário que se tenha advogado para realizar o divórcio, isso em casos de separações amigáveis e onde o casal não tenha filhos menores de idade. Não é necessário comprovar tempo de união, portanto, ele é um processo potestativo e irresistível (basta um dos cônjuges querer).


Fonte: Diário do Estado


Anoreg/BR

Posts recentes

Ver tudo