Classificação do PQTA 2021 terá pontuação para seis categorias

PQTA 2021 terá duas modalidades de premiação, para pequenos e grandes cartórios.

O Prêmio de Qualidade Total Anoreg 2021 – PQTA, realizado pela Associação dos Notários e Registradores do Brasil (Anoreg/BR), está em sua 17º edição e irá acontecer entre os dias 08 e 12 de novembro, para as premiações estaduais e no dia 25 de novembro para a classificação nacional.

Os cartórios inscritos no PQTA 2021 realizaram auditorias com a empresa Apcer Brasil. Os participantes serão avaliados conforme os requisitos de estratégia, gestão operacional, gestão de pessoas, instalações, gestão de segurança e saúde no trabalho, gestão socioambiental, gestão da informação e controle de dados, gestão da inovação compliance, com inclusão de requisitos de gestão de continuidade do negócio.

Para a etapa de premiação estadual, a classificação será de acordo com a pontuação obtida pelo cartório: menção honrosa – pontuação de 0 a 35%, prêmio bronze – pontuação de 36 a 49%, prêmio prata – pontuação de 50 a 84%, prêmio ouro – pontuação de 85 a 94% e prêmio diamante – pontuação de 95 a 100%.

Os cartórios que atingirem a premiação diamante em cada estado irão representar o seu estado na premiação nacional, para concorrer ao prêmio rubi.

Ainda na premiação nacional, serão atribuídas duas categorias: a categoria master – cartórios que conquistaram quatro prêmios diamante consecutivos, incluindo o resultado obtido no PQTA 2021, e a categoria evolução – cartórios com oito participações consecutivas no PQTA como evolução, incluindo o resultado obtido no PQTA 2021.

As classificações terão duas modalidades de prêmios: a modalidade 1, para cartórios pequenos, com até cinco colaboradores, e a modalidade 2, para cartórios médios e grandes, acima de cinco colaboradores.


Fonte: Anoreg/BR

Posts recentes

Ver tudo

STJ - Crédito com garantia fiduciária

Crédito com garantia fiduciária, mesmo que prestada por terceiros, não sofre efeitos da recuperação ​A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) reafirmou o entendimento de que os créditos