16 de setembro estreia o novo programa da TV Justiça, “Cartório Contemporâneo”

Nesta quinta-feira (16), a Confederação Nacional de Notários e Registradores – CNR promoverá a estreia do programa “Cartório Contemporâneo” na TV Justiça. O programa será transmitido com um episódio inédito todas as quintas-feiras, às 19h, com uma reprise nas segundas-feiras, às 19h.


Na ocasião, notários, registradores, juristas, além de outras autoridades importantes levarão informações, esclarecimentos e educação sobre a atividade notarial e de registro para a população brasileira como um todo. Temas como o avanço tecnológico dos Cartórios, o que é apostilamento, a diferença entre escritura e registro de Imóvel ou mesmo o que faz cada especialidade de Cartório estarão entre os assuntos abordados pelo Programa.


Para o presidente da CNR, Rogério Portugal Bacellar, o Programa “Cartório Contemporâneo” veio para diminuir a distância entre a população brasileira e os Cartórios. O objetivo da CNR com o lançamento do Programa será promover a importância dos Cartórios e que sua atuação é indispensável para garantir a segurança dos negócios jurídicos, mas especialmente para o crescimento e desenvolvimento do nosso país. O serviço notarial e registral é de excelência, afirmou Bacellar.


Apresentado por Duda Meirelles, dirigido por Ana P. Araújo e produzido pela Cia do Filme, o programa semanal revela o fascinante mundo da atividade notarial e registral no Brasil e é um animado passeio pelo universo dos Cartórios que visa informar e educar a população de forma lúdica, com convidados e infográficos.

Para saber mais sobre o Programa Cartório Contemporâneo, acesse o site www.tvjustica.jus.br , www.cnr.org.br ou entre em contato pelo e-mail contato@cnr.org.br. Confira o canal aqui.


Não perca!


Exibição inédita: 16/09, às 19h


Reapresentação: 20/09, às 19h


Nos acompanhe também pelo Facebook e Instagram para sempre ter acesso às novidades da CNR.


CNR

Posts recentes

Ver tudo

STJ - Revogação consensual de adoção

Adoção realizada sob as regras do CC/1916 é passível de revogação consensual na vigência do Código de Menores ​A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) entendeu que a adoção realizada so